(Confissões de uma Águia misteriosa)

Dor? Sofrimento? Sim, sinto e tenho, mas nada é fácil nesse mundo. Enfim, se você se conforma com a vida que tem, é porque tem medo de tentar, e eu não tenho e lutarei até o fim.

Sobre a Águia

Minha foto
Eu não sou nada. Não posso querer ser nada. Mas tenho em mim todos os sonhos do mundo... Uma coisa é escrever como poeta, outra como historiador: o poeta pode contar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Precisamos da sua ajuda

Já falei sobre isso, mas cada vez que penso no assunto fico perplexo. O que está acontecendo com o tempo? O que está acontecendo com a humanidade?
Os dias passam e nem sequer nos damos conta da rapidez deles. Passam como nuvens no céu, como o vento em nós. Quando começamos a sentir... já passou. É muito louco tudo isso. E todos os dias me pergunto como se explica esse fenômeno. Será culpa da humanidade? Eu não tenho dúvidas de que a nossa humanidade está doente. E nós - que pensamos em um futuro melhor, que fazemos a nossa parte para vivermos em um planeta saudável - estamos adoecendo junto.

As pessoas pouco se interessam com o que está acontecendo, e isso me deixa triste. Elas fazem pouco caso... não ligam se a água vai acabar, se o aquecimento global está acabando com o planeta, se o meio ambiente está degradado. Pouco se importam com a própria casa, mas quando o assunto é dinheiro fazem até guerra, matam seus semelhantes, e tudo por causa de um bem que, se usado inteligentemente, poderia beneficiar a todos. [Mas isso é assunto pra outro post]

Voltemos para o tempo e para a humanidade...
Será que isso tudo tem cura? Pergunta bastante difícil de responder, mas se pararmos para refletir vai descobrir que há uma possibilidade. Já que os dias passam tão depressa e nem percebemos. por que a gente não começa com uma simples ação? Vamos aproveitar um dia de cada vez e vivê-lo como se fosse o último.
Esquecer do passado, lembrar pouco do futuro e aproveitar o presente... Esse é o meu conselho. Só que, vamos ajudar quem necessita. Solidariedade é fundamental. Vamos ajudar o meio ambiente, o nosso lar, a nossa casa, o PLANETA!
Não seja tão egoísta e individualista. Exclua do seu vocabulário: "Se fulano não faz, porque eu vou fazer?" Não seja tão idiota e ridículo. FAÇA A SUA PARTE! O mundo pede socorro e só depende de você, da sua ação hoje... Olhe pro lado e você vai encontrar a quem ajudar. A tarefa não é fácil, mas o resultado é esplêndido.

Vamos tentar curar a humanidade e salvar o nosso lar...

domingo, 26 de abril de 2009

Ilusões do Amanhã

'Por que eu vivo procurando um motivo de viver,
Se a vida às vezes parece de mim esquecer?

Procuro em todas, mas todas não são você.

Eu quero apenas viver, se não for para mim, que seja pra você.
Mas às vezes você parece me ignorar,
Sem nem ao menos me olhar,
Me machucando pra valer.

Atrás dos meus sonhos eu vou correr.
Eu vou me achar, pra mais tarde em você me perder.

Se a vida dá presente pra cada um, o meu, cadê?

Será que esse mundo tem jeito?
Esse mundo cheio de preconceito.

Quando estou só, preso na minha solidão,
Juntando pedaços de mim que caíam ao chão,
Juro que às vezes nem ao menos sei, quem sou.
Talvez eu seja um tolo, que acredita num sonho.

Na procura de te esquecer, eu fiz brotar a flor.
Para carregar junto ao peito,
E crer que esse mundo ainda tem jeito.

E como príncipe sonhador...
Sou um tolo que acredita, ainda, no amor.'

PRÍNCIPE POETA (Alexandre Lemos - APAE)

Este poema foi escrito por um aluno da APAE, chamado, pela sociedade, de excepcional.. Excepcional é a sua sensibilidade!
Ele tem 28 anos, com idade mental de 15.

Se uma pessoa assim acredita tanto, porque as que se dizem normais não acreditam?

sábado, 18 de abril de 2009

Capítulo 6 - O porque da fuga

"A descoberta de Miguel"

Já passava das 10:00h da manhã e o Miguel ainda não tinha se levantado. Na noite passada demorara a dormir. Isadora chega até a casa dele e quem abre a porta é Dona Sílvia.

- Oi Dona Sílvia! Tudo bem com a senhora?
- Oi Isadora! Tudo bem sim minha filha, graças a Deus.
- Que bom. O Miguel está aí?
- Ainda não acordou. Esse menino anda tão estranho, não quer comer, vive trancado no quarto... –
Dona Sílvia tentando descobrir algo
– Você sabe o que esta acontecendo com ele, Isadora?
- Não, não –
Isadora desconcertada
- É por isso que estou aqui. Quero conversar, tenho achado ele meio triste. Posso subir para acordá-lo?
- Sim, minha filha. Fique a vontade.
- Com licença Dona Sílvia. Obrigada!


Isadora bate na porta do quarto mais ninguém atende. Ela entra mesmo assim e encontra Miguel já acordado, mas ainda deitado.

- Bom dia Mi! Vim saber como você está.
- Bom dia Isa! –
Miguel fala com um olhar meio distante
.
- O que aconteceu pra você ainda está deitado uma hora dessas?
- Tive insônia ontem e passei a noite toda relembrando alguns momentos que vivi com o Renato. Só consegui pegar no sono hoje cedo, mas mesmo assim só dei um cochilo.
- Estou vendo sua cara abatida. Mas levante vamos dar uma volta, o dia está lindo.
- Ah! Quero mesmo é passar o dia na cama.
- O quê? Você vai perder esse domingão? De jeito nenhum, eu não vou deixar. Vamos passear –
Isadora puxa o lençol do Miguel e nesse momento o anel cai no chão – O que é isso Miguel?Que lindo! – Ele olha triste e relembra
.
- Esse foi o presente do Renato quando completamos dois meses e que virou o símbolo da nossa união. Depois de conto toda a história.
- Pois então levante e vamos me contar tudo agora. E você está me devendo uma certa explicação. Lembra?


Depois de tanta insistência Isadora acaba convencendo o Miguel a sair. Eles vão até a praia, entre mergulhos e caminhadas ele conta toda a história do anel a Isadora. Ela por sua vez fica admirada com o amor do Renato, não resiste e volta a tocar no assunto:

- O que não entendo é por que você foge dele.
- Eu já disse que foi por causa do fim do namoro. Que eu terminei com ele pra ficar com você.
- Mas eu e você já não temos mais nada. Você está solteiro, por que não vai conversar com ele?
- Eu bem que queria. –
Miguel fala com um tom melancólico - Mas tenho medo da reação dele.

- Por que?
- Ele ficou com muita raiva quando eu acabei.
- Não estou entendendo. Seja mais claro.


Eles param de caminhar e sentam na areia. Miguel olha para o horizonte e sua cabeça pesa ao relembrar da cena.

“- Eu não estou acreditando nisso. – diz Renato titubeante.
- Pois é isso mesmo que você ouviu. Se quiser eu repito pra ficar mais claro. –
Miguel em voz alta
– EU ESTOU APAIXADO POR UMA MENINA E VOU FICAR COM ELA.
- Porra Miguel, depois de tudo o que a gente viveu, de todas as dificuldades que passamos juntos cara, foram quatro meses, mas foram intenso todos os momentos, aí agora você me troca por uma garota que conheceu praticamente ontem... –
Renato com a voz embargada pelo choro
- Sabe o que se chama isso?
- Amor, desejo...
- Deixa de ser criança cara. Isso é covardia. É uma máscara que você está colocando com medo da sociedade, com medo de você mesmo.
- Você é louco. –
Miguel rir e continua
- Por que eu teria medo de mim?
- Medo de assumir o que você é, aí camufla os seus sentimentos temendo o que os outros vão falar. Com certeza é mais fácil se relacionar com uma menina, só assim não precisa escutar piadinhas dos outros. Não é? Você é fraco Miguel...”


- Realmente eu era um fraco. É isso que mais me dói hoje. – Miguel ainda olhando para o infinito e com as lágrimas a rolar pelo seu rosto. Isadora permanece calada e com os olhos marejados, pois percebe a tristeza e o arrependimento do seu amigo.

“- Eu sou fraco? Quer dizer que não posso mais namorar meninas? – Miguel fala ironicamente.
- Claro que pode. A questão não é essa e você sabe muito bem. Você está abrindo mão de um sentimento verdadeiro, do meu amor...
- Como você é convencido Renato.
- Não sou convencido não cara, sou realista. Dá pra ver nos seus olhos que você não ama essa garota, que está fazendo tudo isso por puro comodismo...
– Miguel tenta interromper mais uma vez, e Renato continua – Você ainda é criança demais pra levar algo tão a sério. Mas eu não vou ser tão idiota e ficar tentando te convencer a mudar de idéia. Cada um sabe o que faz Miguel. É isso que você quer? Já tomou sua decisão? – Um longo silêncio que é quebrado por Miguel
.
- É isso que eu quero sim.
- Ok! Já que você está decidido... Só que agora eu tenho minhas dúvidas se você gostou de mim de verdade ou estava comigo por vaidade.

- Eu acho que estava confuso com meus sentimentos. Não sabia ao certo o que queria. Mas agora tomei a decisão. Essa vida aí não é pra mim.
- ‘Essa vida aí’? Que frase mais preconceituosa. Não estou te reconhecendo. Esse não é o Miguel por quem me apaixonei, me dediquei. Cuidado com as palavras, cara... Bom! Só quero que você seja muito feliz. Mas estou muito chateado com você, pelo que acabou de dizer e pela forma como esta acabando. Eu não te dei motivos nenhum pra você fazer isso comigo ...
- Como você é dramático Renato.
- Não sou dramático não Miguel. Apenas estou expondo o meu ponto de vista em relação a esse fim. Com toda sinceridade, você foi o único cara que mexeu comigo, me fez ficar bobo. Você foi o meu primeiro amor, mas infelizmente vou fazer tudo pra te esquecer. Não quero ficar pensando, sofrendo, chorando por uma pessoa hipócrita, que da noite pro dia muda o comportamento, muda as atitudes e até mesmo os pensamentos.”


- Ai Isa! Como fui burro. Eu fui muito orgulhoso. Por dentro meu coração gritava que o amava, mas tive que ser forte estava muito envolvido com você. Queria ter outra experiência, namorar uma menina, mas queria ele também. Quando eu disse que estava confuso com meus sentimentos era verdade. Queria os dois, mas não queria trair ninguém. De um lado estava uma nova experiência e do outro estava aquele por quem o meu coração batia mais forte. Assim é difícil para uma pessoa imatura.
- E por que você não ficou com o Renato? O seu coração dizia que ele era a pessoa certa.
- Justamente. Muitas vezes a gente acha que o coração está errado e acaba agindo pela razão. Ele estava certíssimo quando disse que eu ainda era criança demais. Naquele momento o novo me atraía. Era uma experiência nova.
- Mas era bem mais simples você dizer a verdade pra ele. Que queria ter uma experiência com mulheres.
- Ele não ia entender da mesma forma. O problema é que acabei dizendo coisas horríveis, que magoou ele. Não soube como acabar. Isso me dói... E aí ele finalizou aos prantos olhando dentro dos meus olhos.


“ – Já que eu vou te esquecer, faça o mesmo. Esqueça que existiu um Renato na sua vida. Quando passar por mim na rua finja que não me conhece. E se vier falar vai passar vergonha, por que eu vou fingir que nunca o vi. Vai com Deus, segue teu caminho cara. Boa sorte na nova vida.”

- Foi horrível aquela despedida. Meu orgulho não me deixou voltar atrás. Tive que fazer o maior esforço pra esquecê-lo. Passei algumas noites em claro. E logo em seguida a gente começou a namorar, e indiretamente, você me ajudou.
- E eu nunca percebi nada de diferente em você Miguel. Só depois que entramos na universidade.
- Pois é. Sou uma pessoa muito reservada, não gosto de ficar me fazendo de coitadinho e falando dos meus sentimentos por aí. A escolha foi minha, então tive que arcar com as consequências. E quando entrei na universidade e vi o Renato, tudo voltou à tona. Todo o meu sentimento que estava adormecido emergiu. –
Miguel fazia agora um olhar de arrependido
– Percebi o quanto eu ainda o amava.
- E quando ele te viu?
– Perguntou Isadora.

- Primeiro fez uma cara de surpreso, jamais pensava que ia voltar a me ver, depois me olhou fundo nos olhos, deu um leve sorriso e de repente, como se tivesse lembrado da promessa que tinha feito, fingiu que não me conhecia. Foi terrível encarar aquilo. Tentei esquecê-lo mais foi inútil, é impossível esquecer quando se vê todo dia. Pensei até em desistir da universidade. Mas sou um homem que não desisto tão fácil. É pra encarar? Vamos encarar. E assim fui levando até agora. Não tive a coragem de chegar pra conversar com ele. Fiquei com medo que ele fizesse um escândalo, ia ser bem pior.
- Nossa Miguel, você realmente foi corajoso em levar isso adiante, ver o seu amor todo dia e não poder fazer nada. Mas teria sido muito mais se tivesse ido falar com ele. Mas acho que já sofreu demais, já perdeu tempo demais, pagou todos os pecados e os erros que cometeu com o Renato. Está na hora das pazes agora. Não acha?
- Não vai ser tão fácil assim –
Disse Miguel desiludido.
- Quem disse? Eu vou ajudar você nessa. Confie em mim Miguel.


Isadora encheu o coração do Miguel de esperanças, e com essa novidade conseguiu arrancar um sorriso do seu amigo. Voltaram para casa um pouco tarde demais. Já era noite e Isadora não parava de pensar em tudo o que ouviu. Nem lembrava mais que tinha sido namorada dele. Não conseguiu ficar em casa e saiu para dá uma volta, envolvida nos seus pensamentos e na jura que fizera ao Miguel, começava a bolar um plano. Era só no que ela pensava.


Leia os outros capítulos:
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Conversas e Ideias

Dias atrás estava conversando com uma amiga, e como sempre nos nossos encontros, discutimos sobre algo. [Tipo conversa de filósofo, rsrsrs] E chegamos a uma conclusão interessante, quer dizer, pelo menos eu cheguei. kkkkkkkkkkkk

Estávamos falando sobre agendas, diários, cadernos, ou qualquer coisa que você escreve sobre o momento que esta passando. E na mesma hora me veio a lembrança do filme "O Misterioso Caso de Bejamin Button" [Filme maravilhoso]. Pois então, pra quem assistiu vai me entender.
Você sabe que esse filme é de um cara que nasce velho e morre jovem. Só que durante a vida dele, se apaixona por uma mulher, e em alguns momentos eles ficam juntos e se amam, mas ele tem a consciência que não pode ficar com ela depois que descobre que ela esta grávida, pois seria um trabalho para a moça ter que cuidar de duas crianças. O tempo está passando e Bejamin está rejuvenescendo. E ele morre um bebê. Até que depois de muito tempo, a mulher está internada no hospital entre a vida e a morte, a filha deles esta grande e então a mãe conta a filha quem era o pai dela.
Só que a forma como ela conta é que me fez lembra-lo durante a conversa com minha amiga. Então é através do diário de Bejamin Button, que a filha descobre quem é o seu pai.
Com isso, discutimos algumas coisas, expomos nossas opiniões e dentro de mim brotou uma emoção e uma ideia que vai me fazer ficar eternizado, assim como qualquer pessoa que o faça.

Como hoje em dia não guardamos mais diários, agendas, cadernos, etc por causa do volume e do espaço que tomam. Veio a tecnologia que nos proporciona muitos benefícios nesse sentido. Através de um blog particular podemos fazer o nosso diário, não precisa ter aquela assiduidade, mas escrever nos momentos marcantes, ruins ou bons, não importa. O que vai importar é o momento que lhe marcou. E isso também é bom, porque lá na frente você pode reler um dos momentos e ver como você cresceu, evoluiu, aprendeu.
Mas a minha ideia mesmo, foi fazer um blog pessoal, ou melhor, particular, onde só eu posso ver e escrever. É lá que eu me exponho sem mistérios. No mesmo dia da conversa eu comecei a escrever no novo blog particular que se chama "Estação ao léu"... Eu pensei muito antes de achar um nome para ele, mas ainda posso mudar a qualquer momento. [espero que não. rsrs]

Explicando o título: "Estação" são fases, momentos. Acho que você sabe o que significa "ao léu", pra quem não sabe significa: à vontade, solto. Então achei interessantíssimo essa junção, pois diz exatamente o que eu quero transmitir. Momentos à vontade.
Infelizmente esse blog vocês não vão poder ler, pois esse é só pra mim. E alguém só vai ler quando eu morrer. Não se preocupem que a pessoa certa vai ter a senha. hehehehehehehehehehe

O que eu quero dizer com tudo isso que escrevi?
Quero instigar mais pessoas a fazerem o mesmo, principalmente aquelas que têm filhos, porque um dia ele vai passar por tudo o que você está passando e você não vai lembrar detalhes para contar e aconselhar, ajudar seu filho. Nada melhor do que ele ler tudo o que você passou... hehehehehehehehehehe

Até mais e amanhã tem o 6° capítulo da Descoberta de Miguel.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Sonhos procurados e Sonhos soterrados

Alguns sonhos são belos, outros poéticos; uns realizáveis, outros difíceis de serem concretizados; uns envolvem uma pessoa, outros, a sociedade; uns possuem rotas claras, outros, curvas imprevisíveis; uns são rapidamente produzidos, outros precisam de anos de maturação.
Há muitos tipos de sonhos. Sonho de se apaixonar por alguém, de gerar filhos ou conquistar amigos. Sonho de fazer uma faculdade, ter uma empresa, ter sucesso financeiro para si e para ajudar os outros. Sonho de ter saúde física e psíquica, de ter paz interior e de viver intensamente cada momento da vida.
Sonho de ser um cientista, um médico, um educador, um empresário, um empreendedor, um profissional que faça a diferença. Sonho de viajar pelo mundo, de pintar quadros, escrever um livro, ser útil para o próximo. Sonho de aprender um instrumento, praticar esportes, bater recordes.

Muitos enterram seus sonhos nos escombros dos seus dos seus problemas (Freud, 1969). Alguns soldados nunca mais foram motivados para a vida depois que viram seus colegas morrerem em combate.
Alguns palestrantes nunca mais resgataram sua segurança depois que tiveram um ataque de pânico em público. Alguns esportistas não conseguiram repetir sua performance depois que fizeram um cirurgia corretiva ou foram pegos no exame antidoping.
Algumas mulheres nunca mais tiveram orgasmos depois que foram estupradas ou sofreram abuso sexual. Alguns homens e mulheres nunca mais conseguiram se entregar depois que foram traídos por quem amavam.
Alguns jornalistas enterraram sua criatividade depois que foram cerceados por seus superiores. Alguns jovens bloquearam sua inteligência depois que tiveram péssimo desempenho nas provas e concursos.

Pessoas encantadoras obstruíram seus sonhos ao longo da vida. Mas precisamos desenterrá-los, pela superação de nossos traumas, conflitos, focos de tensão. Nossos sonhos precisam novamente respirar.O presidente Franklin Roosevelt disse que a única coisa a temer é o medo do medo. É preciso vencer o medo evidente e principalmente o medo sutil, o medo do medo, para alçar o voo dos sonhos.

Augusto Cury - Texto retirado do livro "Nunca Desista de Seus Sonhos".

domingo, 12 de abril de 2009

Visão Espírita da Páscoa

O Espiritismo não celebra a Páscoa, mas respeita as manifestações de religiosidade das diversas igrejas cristãs, e também não proíbe que seus adeptos manifestem sua religiosidade.

Páscoa, ou Passagem, simboliza a libertação do povo hebreu da escravidão sofrida durante séculos no Egito, mas no Cristianismo comemora a ressurreição do Cristo, que se deu na Páscoa judaica do ano 33 da nossa era, e celebra a continuidade da vida.
O Espiritismo, embora sendo uma Doutrina Cristã, entende de forma diferente alguns dos ensinamentos das Igrejas Cristãs. Na questão da ressurreição, para nós, espíritas, Jesus apareceu à Maria de Magdala e aos discípulos, com seu corpo espiritual, que chamamos de perispírito. Entendemos que não houve uma ressurreição corporal, física. Jesus de Nazaré não precisou derrogar as leis naturais do nosso mundo para firmar o seu conceito de missionário. A sua doutrina de amor e perdão é muito maior que qualquer milagre, até mesmo a ressurreição.

Isto não invalida a Festa da Páscoa se a encararmos no seu simbolismo. A Páscoa Judaica pode ser interpretada como a nossa libertação da ignorância, das mazelas humanas, para o conhecimento, o comportamento ético-moral. A travessia do Mar Vermelho representa as dificuldades para a transformação. A Páscoa Cristã, representa a vitória da vida sobre a morte, do sacrifício pela verdade e pelo amor. Jesus de Nazaré demonstrou que pode-se executar homens, mas não se consegue matar as grandes idéias renovadoras, os grandes exemplos de amor ao próximo e de valorização da vida.

Como a Páscoa Cristã representa a vitória da vida sobre a morte, queremos deixar firmado o conceito que aprendemos no Espiritismo, que a vida só pode ser definida pelo amor, e o amor pela vida. Foi por isso que Jesus de Nazaré afirmou que veio ao mundo para que tivéssemos vida em abundância, isto é, plena de amor.

(autor desconhecido)

sábado, 4 de abril de 2009

Capítulo 5 - O Presente

"A descoberta de Miguel"

Miguel chegou em casa exausto e um pouco triste naquela noite. A conversa o fez relembrar momentos de intensa felicidade com o Renato, e que por culpa e falta de maturidade dele próprio perdera o homem que mais amava e o tinha feito muito feliz. Tudo por causa da sua indecisão, do seu medo.
Trancado no seu quarto e envolto das suas recordações, Miguel chorava e pensava: “Por que eu fui fazer isso com ele? Por que eu fui tão burro? Eu mereço mesmo tudo isso, todo esse sofrimento”. Essa noite foi a mais longa de todas para o Miguel. Demorou a pegar no sono, por mais que estivesse cansado, só conseguia pensar no Renato e em tudo o que viveram. Sem sono ele foi para aquela velha janela, e reviveu tudo outra vez...

Todos os dias eles se encontravam na casa do Miguel para fazer os trabalhos do colégio e aproveitavam para namorar. A verdade é que eles namoravam mais do que estudavam. O pai do Miguel trabalhava muito e chegava tarde da noite em casa. Já a mãe trabalhava apenas a tarde. Isso significa que eles ficavam a tarde toda sozinhos, fazendo planos e mais planos juntos. Durante os quatro meses de namoro, vários foram os momentos que deixaram marcas.
Miguel jamais esquecerá de quando eles completaram dois meses de namoro. Era uma sexta-feira, as aulas do colégio já haviam acabado. Pela manhã os dois nem se falaram, Miguel acordara mais de 9:30h da manhã e nenhum recado do Renato. A tarde chegara e nada dele aparecer. Miguel decidiu ir até a casa dele, mas o Renato não estava.
“Alguma coisa esta acontecendo. Será que o Renato esqueceu que dia é hoje? Por onde ele anda?” Pensava o Miguel.
O sol já começava a dar adeus àquela sexta-feira e o Renato não dera notícia. Miguel estava com muita raiva, e já estava com o discurso preparado para despejar na cara dele quando aparecesse. Quase perto das 19:00h o telefone toca e Miguel atende.

- Alô!
- Meu amor... Sei que você deve estar com ódio da minha cara por não ter dado notícias hoje.
– Renato foi falando sem parar – Mas foi por uma boa causa e para prová-lo, estou passando aí daqui a meia hora, quero você lindo e em traje de gala, pois vamos jantar fora. – Renato rir
.
- Você antes deveria perguntar se eu quero ir não é?! Estou mesmo com raiva.
- Nada disso. Você vai querendo ou não. A noite é nossa, meu pequeno.
- Mas...
- Nem mais e nem menos, Miguel. Até já. Beijo e Tchau!


Eles seguiram para o restaurante. Miguel calado o tempo todo, pois a raiva ainda não havia passado. Na verdade era só um charme, porque quando o Renato chegou estava irresistível. Com uma calça jeans, que por sinal caía muito bem nele, uma camisa azul com tons de branco que no corpo do Renato o azul era o destaque. No restaurante, eles jantaram e conversaram. Miguel pediu explicações pelo sumiço e o Renato com a maior paciência foi dizendo:

- Em primeiro lugar quero que você saiba que não esqueci do nosso aniversário de namoro. Não liguei e nem deixei recado propositadamente. Passei o dia todo rodando atrás de um restaurante que tivesse ao seu nível. Queria te fazer essa surpresa. – Miguel prestava atenção emocionado e a raiva já não exista –
E além de procurar um restaurante com a sua cara, tive que ir atrás do seu presente também.
- Nossa meu amor! Tenho que pedir desculpas, jamais imaginaria que você estivesse preparando uma surpresa dessas. Passei o dia aprontando a bronca que eu ia dá em você. –
Eles riram –
Cadê o meu presente? Estou curioso.
- Calma pequeno, vamos terminar o nosso jantar. Mas ao invés de querer dá bronca em mim, devia ter ido comprar o meu presente.
- Mas o seu presente já está comprado desde da semana passada.
- Humm! Que eficiência. –
riram animadamente.

Eles ainda passaram alguns minutos conversando enquanto terminavam o jantar. Logo em seguida pediram a sobremesa e entre uma colherada e outra de um delicioso suflê de banana com chocolate vieram as trocas dos presentes. Renato foi o primeiro a receber o presente, quer dizer, os presentes. Ganhou um lindo cordão de prata e um relógio estiloso. Os olhos dele brilhavam de tanta emoção. Já o Miguel ganhou do namorado um anel prata com um design estilizado e que olhando bem, tinha as iniciais “R e M” gravadas. Na mesma hora Renato colocou o cordão e Miguel o anel. Esses presentes simbolizavam a união dos dois.
Esse foi um dos momentos mais marcantes para Miguel, pois o Renato provara quão grande era o seu amor por ele.

Miguel tinha saído da janela e agora estava na cama olhando fixamente para o anel, com o pensamento no amado. Adormeceu com o anel entre as mãos e pelo ar ainda podia sentir o cheiro do Renato. Pela vidraça os primeiros raios do sol começavam a aparecer no horizonte.



Capítulo 1: http://misteriosaguia.blogspot.com/2009/02/capitulo-1-as-lembrancas.html
Capítulo 2: http://misteriosaguia.blogspot.com/2009/02/capitulo-2-pressao.html
Capítulo 3: http://misteriosaguia.blogspot.com/2009/03/capitulo-3-o-segredo.html
Capítulo 4: http://misteriosaguia.blogspot.com/2009/03/capitulo-4-lembranca-do-primeiro-beijo.html

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Os sonhos não podem morrer

Ao longo da história muitos seres humanos conheceram a sinfonia da incompreensão e a melodia das rejeições. Ninguém os entendia, ninguém os apoiava, ninguém acreditava neles. Aprisionados na terra da solidão, só podiam contar com a força dos seus sonhos e da sua fé. Suportaram avalanches por fora e terremotos por dentro.
Sócrates, Platão, Aristóteles, Agostinho, Spinosa, Kant, Descartes, Hegel, Einstein e tantos outros foram dominados e impulsionados por seus sonhos. Brilharam como pensadores. Seus pensamentos tornaram-se chuva tranquila que irrigou os excelentes campos das ideias. Mas onde estão os pensadores da atualidade?

Centenas de milhões de jovens estão nas escolas em todo o mundo, mas são vítimas de uma educação em crise. Os professores estão se transformando em máquinas de ensinar, e os alunos, em máquinas de aprender.
O futuro da humanidade depende da educação. Os jovens de hoje serão os políticos, os empresários e os profissionais de amanhã. A educação não precisa de consertos, precisa passar por uma revolução.

Nessa revolução, em primeiro lugar, é necessário que os professores sejam valorizados e aliviados. Nunca uma classe tão nobre foi tão desprestigiada proissionalmente. Eles deveriam trabalhar menos e ganhar mais.
Os professores da pré-escola à universidade deveriam ter um salário igual ou melhor do que o dos juízes, dos promotores, dos psiquiatras, dos psicólogos clínicos, dos generais, dos chefes de polícia. Por quê?

Porque o trabalho deles é tão ou mais importante do que o de todos esses profissionais. Os professores educam a emoção e trabalham nos solos da inteligência para que os jovens não adoeçam em sua mente, não sentem nos bancos dos réus, não façam guerras.

Quem é mais importante, aquele que previne as doenças ou aquele que as trata? A medicina preventiva é certamente mais importante do que a curativa. Os educadores são os profissionais que mais contribuem para a humanidade. Todavia, eles estão em um dos últimos lugares na escala profissional.
Qualquer policial é tratado com mais dignidade do que eles. O mais triste é saber que professores cuidam dos filhos dos outros, mas muitas vezes não têm recursos para educar seus próprios filhos.
Muitas escolas particulares querem pagar salários melhores para seus mestres, mas não suportam. Os governos deveriam subsidiá-las, deveriam resgatar também a dignidade das escolas públicas.

Alguém poderia argumentar dizendo que os governos faliriam se investissem fortemente na educação. Se metade do orçamento das forças armadas, do dinheiro gasto com as pesquisas com antidepressivos, com o aparato policial, com o combate ao uso de drogas fosse investido na educação, os jovens teriam mais chances de ser menos repetidores de informações e mais pensadores, menos doentes e mais sábios, menos frustrados e mais sonhadores.

O caos da humanidade é reflexo do desprezo que as sociedades modernas têm pela educação. Nos discursos políticos a educação está em primeiro lugar, na ação concreta está em último.
As sociedades que desprezam os educadores desprezam seus jovens, asfixiam seu futuro. De fato, a juventude tem sido massacrada pelo sistema. Nossos filhos estão perdendo sua identidade, são tratados como consumidores, um número de cartão de crédito.

O índice de agressividade, ansiedade, depressão, farmacodependência, alienação social entre os jovens cada vez aumenta mais. Os professores estão estressados, e os alunos, ansiosos. QUANDO VAMOS ACORDAR?


Augusto Cury [texto restirado do livro "Nunca Desista de Seus Sonhos"]

--------------------------------------------------

É até engraçado eu colocar esse post justamente no dia 1° de Abril [dia da mentira]. Mas engraçado mesmo é ter dia pra mentir. hahahahahahahahahahaha
Só o "homem" mesmo pra inventar isso. Como seria bom se todo o mundo mentisse apenas um dia no ano, mas isso não acontece...

Espero que tenham lido esse texto maravilhoso e comecem a refletir sobres os seus sonhos e não deixem eles morrerem.

"A vida sem sonhos é como o céu sem estrelas"