(Confissões de uma Águia misteriosa)

Dor? Sofrimento? Sim, sinto e tenho, mas nada é fácil nesse mundo. Enfim, se você se conforma com a vida que tem, é porque tem medo de tentar, e eu não tenho e lutarei até o fim.

Sobre a Águia

Minha foto
Eu não sou nada. Não posso querer ser nada. Mas tenho em mim todos os sonhos do mundo... Uma coisa é escrever como poeta, outra como historiador: o poeta pode contar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

A doença sem cura


Estou muito triste.
Me sinto fora do mundo. É como se ele estevisse girando dentro de uma bolha de vidro e eu não pudesse entrar...
Nunca pensei que eu fosse tão dependente da tecnologia. Sinto informar que nessa sociedade pós moderna, ninguém está livre disso. Hoje não tem um ser humano que não dependa de alguma tecnologia, de algum recurso tecnológico.

Estou sem computador e sem internet. Os dois resolveram ficar intrigados de mim justo num momento em que não tenho condições de trocá-los. Tudo bem, eles me serviram bastante tempo. 5 anos não é pouca coisa. Então, me sinto um peixe fora d'água. Quando me deito pra dormir, demoro a pegar no sono, sinto que está faltando algo, que o meu dia ainda não pode acabar, pois ainda não dei uma olhada no meu email, no meu orkut, não escrevi no meu blog...
Sinceramente isso é um absurdo, como pode a tecnologia dominar a nossa vida? A mesma coisa acontece quando ficamos sem o celular. Quando saímos e esquecemos ele em cima da cama, algo fica estranho em nós, a sensação é de estarmos completamente nú...

Mas agora é tarde e eu já estou com a doença da pós modernidade.
Será que isso tem cura? Creio que não. A humanidade já está no grau máximo da doença e a tendência é só piorar. O próprio homem está acabando com o mundo e com si mesmo...

E agora?

terça-feira, 12 de maio de 2009

Encontros e Desencontros I

Cruzamos com várias pessoas todos os dias. Seja dentro de um ônibus ou de um elevador, em lugares abertos ou fechados. Em situações agradáveis, e muitas vezes desagradáveis. Sentam ao nosso lado, passam por nós, às vezes desejamos um bom dia e algumas vezes basta deixar que o olhar fala. O engraçado nisso tudo é que muitos têm problemas, angústias, alegrias, tristezas... Tudo o que desejam é alguém pra desabafar.
Mas como confiar numa pessoa que você nem conhece? Como vou contar a minha vida pra um estranho? Sei que a maioria pensa isso. Outros começam a dar seu depoimento, porque estão tão saturados daqueles sentimentos e pensamentos, que basta você perguntar a hora para a pessoa começar a dialogar e desabafar... Muitos dizem: “Que saco! Estou pouco me lixando pra o que essa criatura tem pra falar. Não estou a fim de papo”. Mas não sabem a lição que podem estar perdendo. Mesmo que você não fale nada, apenas escute o que aquela pessoa tem pra falar. Ela só está querendo um pouco de atenção. Tente absorver da história algo útil pra sua vida... Com certeza alguma lição você aprenderá, mesmo que seja uma fofoca, algo bom você vai conseguir absorver...

Essa lição aprendi com uma grande amiga minha. Uma das pessoas que mais admiro nesta vida. Quem quiser conhecer os “Encontros e Desencontros” dela é só clicar aqui...
Com isso resolvi “copiá-la”. Comecei a observar as pessoas que passam por mim. Comecei a conhecer suas histórias, o que elas têm pra ensinar.
Hoje começo esse maravilhoso relato de “Encontros e Desencontros” [Como Marina mesmo descreveu]. Vou dividir aqui com vocês os meus aprendizados, os momentos que Deus me concedeu. Pois, como sempre digo: Nada é por acaso.
Hoje vou contar como conheci o Seu Martins...

Cheguei na universidade, e o estacionamento, onde sempre paro o carro, estava lotado. Acabei colocando em um lugar onde nunca parei antes. Ao voltar, com duas amigas, paramos em frente ao meu carro e quando olhei o pneu da frente estava totalmente baixo impossível de sair. Lógico que entrei em pânico, nunca tinha trocado um pneu na minha vida. Fiquei desesperado. Tudo o que eu temia tinha acontecido. Mas na mesma hora pensei: “Deus sabe o que faz”.
Fui na mala, tirei o estepe, o macaco... Ainda tentei afrouxar os parafusos do pneu, mas nada certo. E agora? Pedi a uma das minhas amigas para chamar alguém [são mulheres e com certeza alguém se prontificaria para ajudar]. Logo em seguida, uma delas chega acompanhada de um moço de estatura mediana, negro e de bom coração. Pois ele deixou o serviço para ajudar...
[Detalhe: Ele trabalha na lanchonete onde costumo lanchar e nunca tinha dado um bom dia para ele].
Nos apresentamos e de imediato ele começou a folgar os parafusos do pneu, preparou o macaco e nada de conseguir levantar o carro. O macaco estava afundando na areia [o meu carro estava parado na areia. Olha só!]. Fizemos de tudo, colocamos pedra, tijolo, papelão e até a sandália do Seu Martins, mas nada do carro subir. Uma das minhas amigas se despediu, ficando a outra que também deixava transparecer que queria ir embora...

Mas ainda ficou um tempo comigo.
O suor do Seu Martins começava a pingar do seu rosto. O trabalho estava difícil e árduo. Comecei a me desesperar mais ainda. Ficamos mais de uma hora nessa peleja, e finalmente ele conseguiu erguer o carro. Tiramos o pneu furado e na hora de colocar o estepe, não coube, tinha que subir mais o carro, só que o macaco não subia mais, estava no limite. Então coloca de novo, o furado, e desce o carro... Depois disso o macaco não funcionou mais. A minha amiga já tinha ido embora. Restando apenas eu e o Seu Martins. Ele sempre confiante e eu já querendo chorar...
Depois de tentar mais um pouco, eu pergunto se ele não conhece ninguém para pedir o macaco emprestado. Tentamos parar alguns carros, mas ninguém parou. Até que consegui emprestado com um rapazque estava num sala próxima do local. Ele então nos acompanhou e deu uma ajuda moral, dizendo como devia proceder, mal sabia ele que já fazia hora que estávamos tentando. Enfim conseguimos trocar o pneu. Agradeci ao rapaz do macaco, que me aconselhou procurar um borracheiro no mesmo dia, só que já era mais de nove horas da noite e não ia ter nenhum aberto.

Nessa hora Seu Martins pediu uma carona, dizendo que morava perto do meu bairro. É lógico que dei essa carona, era o mínimo que eu podia fazer para agradecer a ajuda e o esforço. Afinal de contas a lanchonete fechou e ele estava me ajudando com o bendito pneu.
Enfim, fomos conversando durante o caminho. E ele foi falando um pouco sobre sua vida. Pude perceber que ele é um trabalhador, humilde e está sempre disposto a ajudar o próximo. Confidenciou-me algo que nem a mulher sabe. E também foi me contando como ele ajudou o filho de um médico no interior. Fez o cunhado parar o carro pra ajudar ao rapaz, o cunhado ainda resistiu e ele disse: “Vamos fazer o bem sem olhar a quem”. O pai do garoto perguntou o que ele queria como recompensa pela ajuda. Ele disse que não queria nada, mas o pai insistiu. Aí ele pensou no presente que o filho gostaria de ganhar. Um computador. Que ele estava pensando em comprar uma peça de cada vez e montar o computador para o seu filho... Então o médico lhe deu de presente um computador de última geração. Imagina a alegria do filho de Seu Martins...
Nos despedimos, agradeci mais uma vez a ajuda e prometi uma sandália nova, pois a dele o macaco do carro acabou furando... Quando ele desceu do carro, me deu uma vontade de chorar, foi como se eu tivesse acabado de ter um encontro com um anjo. Mas senti que ele é uma pessoa necessitada, e tem um coração muito bom.


Pra você ver... Os humildes ajudam o próximo, não querem nem saber quem é. O importante é ajudar. Os “riquinhos” que passaram no carro, nem sequer pararam quando chamamos.
Quando acontecer uma situação parecida com você, não reclame, não se aborreça. Apenas agradeça a Deus, porque daquele momento você pode acabar conhecendo uma pessoa com um SER maravilhoso. Seu Martins me ensinou que não importa quem, não importa onde, o importante é AJUDAR...
E hoje aprendi a trocar um pneu. hehehehe

“Fazer o bem sem olhar a quem”

domingo, 10 de maio de 2009

Para minha MÃE

Existem milhões de formas de declarar o meu amor para minha Mãezinha, e fiquei pensando qual delas usaria para parabenizá-la pelo Dia das Mães. Resolvi então deixar o meu coração falar, pois ele está cheio de gratidão e amor, e ninguém melhor do que ele para fazer essa homenagem maravilhosa...

Dizem que todas as mães são iguais, mas eu não trocaria a minha por nada. Eu posso ter várias mães, ser amado por muitas mulheres que me consideram como um filho, mas só uma me conhece fundo, conhece os meus pensamentos e desejos, aqueles mais íntimos, mais secretos. Quem pensa que engana sua mãe está completamente equivocado. Mãe sente e sabe tudo sobre o filho, ela apenas finge que não sabe de nada, esconde muitas coisas, e algumas vezes para não deixar que o filho se sinta pressionado, e então ela espera ele ter confiança e segurança para lhe confidenciar algo...

Mãe é insubstituível. A minha não é diferente. Ela briga, obriga, ensina, resmunga, parece uma chata e muitas vezes é, mas sei que ela só quer o meu bem. Algumas vezes acaba errando querendo acertar, mas não faz por mal.
Tenta abrir os meus olhos e dizer que tal coisa é errada por já ter mais experiência, mas eu finjo que não escuto e acabo quebrando a cara lá na frente... E então ela me diz: "- Eu falei." Aí eu digo à ela: "- Mãe! A gente só aprende errando, apanhando mesmo."
Há sofrimentos inevitáveis, que só a vida pode ensinar. Só que a minha mãe acha que tem o dever de criar um filho dentro de uma bolha. Que eu não posso me machucar, sofrer... é a chamada "MÃE SUPERPROTETORA". E sempre que posso eu tento explicar isso pra ela. Digo que um filho precisa aprender a voar, a caçar sozinho. Mas mãe é mãe.

Peço a Deus pra dar muita saúde e muitos anos de vida à ela. Quero que ela me veja crescendo, que celebre junto comigo a realização do meu sonho. Quero que ela se orgulhe do filho que têm. Quero cuidar dela como ela cuidou de mim quando eu era uma criança. Quero retribuir o conforto que tive e tenho durante esses anos. Quero passar muitos e muitos anos comemorando o Dia das Mães ao seu lado.


TE AMO minha Mãe, Mainha, Mãezinha, Mãezona...


Aqui está um poema que não poderia deixar de oferecê-la. Não sei quem é o poeta, mas faça de conta que eu acabei de escrever especialmente para a Senhora. hehehehehehehehe
Posso não ter escrito, mas ao ler lembrei da MINHA MÃE.

Mãe,

Que ao dar a benção da vida,
entregou a sua...
Que ao lutar por seus filhos,
esqueceu-se de si mesma...
Que ao desejar o sucesso deles,
abandonou seus anseios...
Que ao vibrar com suas vitórias,
esqueceu seu próprio mérito...
Que ao receber injustiças,
respondeu com seu amor...

E que, ao relembrar o passado,
só tem um pedido:
DEUS, PROTEJA MEUS FILHOS, POR TODA A VIDA!

Para você mãe,
um mais que merecido:

Feliz Dia das Mães!

terça-feira, 5 de maio de 2009

Perguntas Para um Relacionamento Duradouro


Desde o começo do ano que venho me estudando, me conhecendo, pois não me reconheço mais nas atitudes que envolvem relacionamentos... Eu mudei muito isso é fato, só que percebi que com essa mudança fiquei mais arredio. Tenho pensado muito antes de assumir qualquer compromisso sério. O problema que é as pessoas me interpretam mal, quando apenas o que eu quero é evitar sofrimentos de ambas as partes.
Tomei uma decisão e só vou ter um compromisso sério quando eu me sentir maduro para manter aquele relacionamento e sentir a mesma coisa da outra parte. Não vou mais "atirar na água". Relacionamentos a distância é um grande problema na minha vida. E é o que tem aparecido com frequência no meu caminho. Por isso evito muitas frustrações...

Acho que pra manter um relacionamento a distância é preciso amadurecimento do casal, pois não é tão fácil assim. CONFIANÇA é fundamental num relacionamento desse tipo. Pois você não vai poder frequentar os mesmos lugares que a outra pessoa, não vai saber como é o ambiente. E se você não conhecer muito bem e não confiar na outra pessoa, com certeza a angústia e o desespero vai aparecer.
Infelizmente, ainda tem pessoas que não me entendem, mas é melhor cortar o "mal" pela raiz do que alimentar uma ilusão e deixar a vida passar, com isso perder tempo e oportunidades...
Não sei se estou certo ou se estou errado, mas no momento é assim que me sinto... Estou me preparando para viver um relacionamento maduro. Ter uma união estável, e lógico que é o que eu espero encontrar na outra pessoa.

Tem um texto de Martha Medeiros que define muito bem o que eu espero de um relacionamento, de uma união...


Sermão do Padre durante o casamento - Martha Medeiros

Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre: "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?" Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?

- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?

- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?

- Promete se deixar conhecer?

- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?

- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?

- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?

- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?

- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros."

São essas perguntas que me faço antes de assumir qualquer compromisso. É bem verdade que ninguém é perfeito e que nem sempre todas as respostas dessas perguntas vão ser positivas. Mas quando respondo a maioria positivamente, aí sim, sei que estou preparado para assumir qualquer compromisso sem fazer ninguém sofrer...
Não procuro um casamento, mas alguém pra curtir a vida por um longo tempo ao meu lado, de preferência a vida toda [Não deixa de ser um casamento =D].
Só que isso não quer dizer que eu não experimente antes.. É lógico que provo antes de tomar qualquer decisão. rsrsrs

Então fica o meu conselho pra quem quiser. Tenho certeza que se assumirem um compromisso quando estiverem maduros, muitos sofrimentos serão evitados.