(Confissões de uma Águia misteriosa)

Dor? Sofrimento? Sim, sinto e tenho, mas nada é fácil nesse mundo. Enfim, se você se conforma com a vida que tem, é porque tem medo de tentar, e eu não tenho e lutarei até o fim.

Sobre a Águia

Minha foto
Eu não sou nada. Não posso querer ser nada. Mas tenho em mim todos os sonhos do mundo... Uma coisa é escrever como poeta, outra como historiador: o poeta pode contar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Final de Semana

Eita que final de semana maravilhoso.
Sábado no final da tarde fui ver uma peça do autor Ariano Suassuna, e do grupo Ser Tão Teatro, onde tenho alguns conhecidos no elenco. A Farsa da Boa Preguiça, nome da peça, me surpreendeu muito, me fazendo rir quase que a peça inteira. Devo parabenizar o elenco e os diretores, gostei muito... Depois fui para casa de uns amigos para a tal comemoração, aquela que é de praxe. rsrsrs
Foi muito boa, saímos da rotina. Cheguei em casa só o 'bagaço', e fora do normal, não que eu estivesse bêbado, porque álcool não me dá tal prazer e alegria. hauhauahuhauhaahua

Hoje, domingo, passei o dia dormindo, pense num dia improdutivo... Pensei que estava perdido e que esse domingo seria mais um daqueles depressivos, mas lembrei do show de Roberta Sá, fiquei com vontade de ir por vários motivos, mas fiquei com medo que não tivesse ingresso na hora. Liguei para um amigo e ele me informou que estava tranquilo, que tinha ingresso numa boa... Fui. E graças a Deus que eu fui. O show foi simplesmente perfeito, estava encantado. Roberta Sá é demais. O bom de tudo que o show foi no Teatro, cada um no seu lugar, sem canseiras, sem gritarias... E depois segui com o meu "equilíbrio" para curtir o pós show. Fechei o final de semana com chave de ouro.

Obrigado meu Deus...

Quando você pensar que tudo está perdido... confie e espere, que sempre virá a salvação. =D

Beijos no coração de cada um.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Só...

Por que a noite me faz sentir-me tão só? Só!.. Sozinho... Sozinho mesmo. Nas noites frias... só. Nas noites quentes... só. Por que a noite me traz tanta solidão?
A natureza fez isso com a Lua, mas ela tem, pelo menos, as estrelas. E eu? Só...
Será que eu sou o Sol? Não... Não mesmo. Eu não posso ser o Sol. Ele é forte, grande. O Sol consegue ficar só. E eu não, apesar de está sempre só... nas noites.
Me pareço mais com a Lua... tenho fases, vivo a noite. Ela também não consegue ficar só, nunca conseguiu, mas ganhou a companhia das estrelas. E onde estão as minhas estrelas? Será que as tenho? Ou será que sou Lua e estrela? É bem verdade que tenho a companhia delas [Lua e estrelas], mas cada um num plano... aqui na Terra... só!
Oh! Noite... Solidão... Calor... Frio... Só... Sozinho.
Até quando?
Até quando Deus quiser...

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Mais uma etapa


"Você não sabe o quanto eu caminhei. Pra chegar até aqui, percorri milhas e milhas antes de dormir. Eu nem cochilei. Os mais belos montes escalei. Nas noites escuras de frio chorei..."

É com esse trecho da música "A Estrada" que eu começo o meu post de hoje.
Acho que essas palavras descreve bem o momento em que passei. Hoje foi minha colação de grau. Nunca pensei que fosse terminar o curso, nunca pensei que eu pudesse entrar numa universidade federal...
Mas graças a Deus, passei no vestibular em 2006, no segundo semestre entrei na faculdade, passei por várias crises, pensei em abandonar o curso, pensei em fazer reopção de curso... Estava desiludido com a escolha que tinha feito, mas fui firme e continuei, no meio do curso comecei a gostar e a me interessar mais pelas disciplinas [a crise tinha passado].
Conheci pessoas maravilhosas... amigos que nunca vou esquecer, que vão ficar pra sempre guardados no meu coração. Fiz muitos colegas, mas fiz muitos amigos verdadeiros, que me proporcionaram muitas alegrias e bem estar. Não vou negar que no primeiro período a turma era grande e divertida, mas com o passar dos períodos a turma foi diminuindo [alguns desistiram, outros mudaram para os cursos novos, e também outros que escolheram outra habilitação], restando assim apenas 4 amigos... passamos 2 períodos colados, não nos separávamos para nada, os professores até perguntavam se a gente morava no mesmo lugar, porque chegávamos todos na mesma hora... Só que um dos integrantes do grupo desistiu do curso, ou melhor, optou por outro em outra universidade. Depois mais um desistiu, desfazendo o quarteto e ficando apenas 2 amigos... aos trancos e barrancos fomos dia a dia sobrevivendo as aulas, pois muitas disciplinas era pagas com 4 pessoas ou até menos. [O curso estava sendo extinto] Durante esse tempo, claro que apareceram outras pessoas para entrarem no grupo, mas só uma conquistou a nossa simpatia e amizade, mas infelizmente não deu pra terminar na mesma época que a gente. Uma pena não poder compartilhar a nossa tremenda felicidade... Hoje estávamos lá, os dois sobreviventes do período 2006.1 colando grau. Vencendo mais uma fase.

Hoje foi um dia super feliz...
Agora posso dizer que sou formado, que tenho um curso superior. Mais uma etapa vencida nessa vida... Que venham as próximas etapas, que cada vez vai ficando mais difícil e complicada.
Mas como dizem.. um passo de cada vez.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Devaneios

Por que a convivência com alguém é tão difícil? Não estou falando da convivência entre casais, que também deve ser muito complicada, estou falando da convivência entre pais, irmãos, parentes...
Tem uma hora que cansa, fica impossível de conviver com eles. Estou falando de mim mesmo. Acho que já cheguei no meu limite, está impossível a convivência aqui na minha casa. Posso está até parecendo um rebelde falando dessa maneira. Um adolescente cheio de vontade. Mas é assim que eu me sinto.... Cansado.

Cansado de ter que viver do jeito que os outros querem... do jeito que a minha mãe quer. Infelizmente ainda não tenho como me manter sozinho. Quero muito poder deixar a casa da minha mãe e poder ter a minha, do meu jeito. Ter as minhas coisas sem ninguém ficar passando na minha cara que eu não tenho nada. Quero poder fazer tudo na minha hora, no meu tempo... Não estou "cuspindo no prato que comi", agradeço muito a minha mãe por tudo que ela tem me dado. Pela educação, pelo carinho... Sei que por aí tem pessoas sofrendo muito mais do que eu. [e isso nem é um sofrimento, é mais uma provação divina]. Posso dizer que apesar de tudo ainda tenho um pouco de liberdade. Só que tem uma hora que cansa ter que dar explicação por isso ou por aquilo. Cansa não poder dar um suspiro mais alto, cansa não poder chorar quando se tem vontade [porque senão vai ter que dá explicação]... Cansa não poder ser você mesmo. Muitas vezes eu tenho vontade de ficar sozinho com os meus devaneios. Não tenho vontade de falar com ninguém. Fico na minha pra não ser grosso ou antipático, mas ninguém entende que todo mundo precisa de um tempo só. E eu preciso de um bom tempo sozinho. Preciso me entender.
E eu estou assim... cansado de tudo.

É claro que tudo tem seus prós e contras. Eu tenho consciência disso. Morar sozinho é ruim porque quando você precisa dividir com alguém alguma coisa, descobre que não tem ninguém por perto. Morar sozinho é ruim porque não tem quem cuide de você quando precisa.
Enfim tudo é ruim e tudo é bom nessa vida... depende do momento pelo qual está passando. Hoje eu vejo mais vantagens, do que desvantagens, morar sozinho.
Sabe o que eu queria realmente. Ter o meu próprio lugar... um lugar só meu. Mas quando me sentisse só demais pudesse voltar para o aconchego da minha mãe. E quando eu estivesse saturado de tudo novamente, voltasse para o meu refúgio. É isso o que eu quero. Mas quem não quer? Qual o ser humano não tem essa vontade...

As vezes eu penso em fugir de casa... quer dizer, fugir não. Passar um tempo longe de tudo. Mas sem avisar a ninguém. Simplesmente ir... Mas me falta coragem, deixar os meus preocupados, sem saber o meu paradeiro, pensando que fui sequestrado, que estou morto ou coisa parecida. Posso ser doido, mas ainda não cheguei nesse nível de loucura.
Quero mesmo é ter condições de poder ter um lugar só meu. Ter um refúgio para esses momentos de solidão, de devaneios...
Enquanto ainda não posso ter tudo o quero, vou vivendo pela metade. Vou engolindo algumas coisas. Vou deixando a vida me levar....

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Quem sou?


Nesta quinta começo a dar aula novamente. O engraçado nisso tudo é que eu jamais pensava em ser professor. Acho que era a última profissão que escolheria para atuar... Só que, literalmente, tudo isso caiu nas minhas mãos. E eu não pude rejeitar. Não se rejeita trabalho no mundo de hoje.
Mesmo assim ainda me sinto um peixe fora d'água. Os meus alunos gostam das minhas aulas. As minhas coordenadoras me elogiam. Ano passado mesmo tive que recusar escolas por falta de tempo e ainda não me considero professor. Quando encontro alguém na rua e as pessoas me chamam de professor me dá até vontade de rir, é como se não fosse comigo. Acho muito engraçado.

É muito louco tudo isso, mas não poderia ser diferente se tratando da minha pessoa... rsrsrs
Bom, o fato é que ainda esta semana começo o rojão, e dessa vez é por necessidade. Agora mais do que nunca tenho que manter o meu emprego para poder pagar algumas dívidas. E o esforço é bem maior porque tenho que manter até o final do ano.
Semana que vem eu estarei colando grau. Praticamente já estou formado... Estou muito feliz por várias realizações na minha vida. E tenho certeza que ainda virá mais esse ano.

Sem dúvida alguma, como já coloquei em vários posts aqui. A profissão de professor é a mais sublime que existe. Não sei porque tenho tanto medo, talvez por ser tímido... Na época da escola eu chorava para não apresentar seminários. Odiava ter que encarar várias pessoas, me dava um branco e sempre pensava que não dominava o assunto. Aliás tenho esse grande problema, sempre acho que sei menos do que os outros, por isso nunca exponho meus pensamentos. Nunca digo tudo o que sei... Vai ver que foi por isso que acabei criando um blog pra mim.
Agora o mais engraçado de tudo é que amo a profissão do ator. Teatro pra mim, é a minha vida. O palco do teatro é a extensão da minha casa... Ali eu não tenho vergonha das pessoas. Até porque não sou eu. É o personagem quem está ali, eu só empresto o meu corpo, a minha voz... Muitas pessoas acham que eu não sou tímido, outras falam que eu vivo atuando 24 horas por dia. Mas quer saber? Acho que vou começar a concordar com elas. Acho que se eu não atuasse 24 horas por dia eu não viveria. Tamanha é minha timidez.
Mas se eu atuo toda hora...
Então quem sou eu??

Caramba... olha só o que acabei de descobrir.
Nem eu mesmo sei quem sou. Ou será que tudo isso não passa de uma grande bobagem??