(Confissões de uma Águia misteriosa)

Dor? Sofrimento? Sim, sinto e tenho, mas nada é fácil nesse mundo. Enfim, se você se conforma com a vida que tem, é porque tem medo de tentar, e eu não tenho e lutarei até o fim.

Sobre a Águia

Minha foto
Eu não sou nada. Não posso querer ser nada. Mas tenho em mim todos os sonhos do mundo... Uma coisa é escrever como poeta, outra como historiador: o poeta pode contar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja.

sábado, 28 de agosto de 2010

Reunião Budista

Hoje fui conhecer uma reunião budista. Todo final do mês tem reuinão com o grupo da comunidade... E aí uma amiga mandou o convite para reunião de hoje. Estava muito ansioso para saber como era. A princípio fiquei meio sem jeito quando cheguei na reunião, mas continuei assistindo, e aos poucos fui ficando a vontade.
Existem várias linhas budistas, e essa que visitei é o budismo de Nitiren Daishonin... Foi muito bom essa visita. E diferentemente do que as pessoas pensam e falam com os seus conceitos pré concebidos, o que pude entender é que o budismo não é nada mais do que a observação de um homem para a natureza de todas as coisas que o cerca e a observação da própria mente. O budismo não contempla regras, nem pecados, nem dogmas complicadíssimos e inteligíveis. Prega que apenas compreendendo os fatos com o coração leva o homem a libertação do que ele considera ser sofrimento para sua própria vida.
O budismo de Nitiren Daishonin segue uma filosofia onde as pessoas estão sujeitas a lei de causa e efeito, não como punição, mas como efeito normal da natureza, e as pessoas são exclusivamente responsáveis pelos seus próprios atos.
Tem uma coisa muito legal e interessante que eu gostei, que é o daimoku, uma espécie de mantra onde através da recitação do NAM MYOHO RENGUE KYO você transforma os karmas negativos e atinge os estados elevados de vida onde há grande sabedoria, coragem e benevolêcia. Eu aprendi também que é preciso recitar o daimoku com muita fé, pensamentos positivos e desejos sinceros, porque no momento em que você está recitando o daimoku, milhões de outros budistas no mundo estão recitando também, e não estão fazendo por brincadeira, então acaba se tornando algo muito poderoso.
Foi muito bom pra mim essa visita. Gosto de conhecer tudo, diferente de algumas pessoas que julgam o que nunca viram. Julgam apenas pelo preconceito e pré-conceito. Pra quem tem curiosidade, meu conselho é que você procure saber onde tem um grupo budista e peça para fazer uma visita em alguma das reuniões. O fato de ir em uma das reuniões não quer dizer que você é um budista, mas apenas um ser que quer se informar e conhecer sobre a prática.
Vale a pena.


sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Clube do Livro I

['Era uma vez um pequeno príncipe que habitava um planeta pouco maior que ele, e que tinha necessidade de um amigo... Para aqueles que compreendem a vida, isto pareceria sem dúvida muito mais verdadeiro.'] p.20

Estou muito feliz por ter começado hoje uma atividade gostosa e prazerosa.
Eu e mais dois amigos decidimos criar o "Clube do Livro". Pelo menos uma vez por semana vamos ler em conjunto. Podemos ter outras leituras individuais, mas escolheremos um livro pra ler juntos e comentar.
E é sobre esse novo hobby do grupo que crio mais uma categoria... "Clube do Livro", onde venho postar todas as vezes que o grupo se reunir para ler. Venho falar sobre a parte do livro que lemos no dia, e os comentários/discussões que se sucedeu após a leitura, ou durante a mesma.
Estou torcendo para que dê certo...

Sugestão dada por um dos integrantes do grupo, o livro que abre a nova fase do "Nóia" é 'O Pequeno Príncipe', livro curto e reflexivo. E como estamos começando, nada de histórias longa demais, isso fica para mais na frente, depois que nos adaptarmos...
Para o primeiro dia, hoje foi bastante agradável. Paramos a leitura no capítulo IX, onde o pequeno príncipe sofre a decepção com a rosa, ele diz que era jovem demais para saber amar. Diz que não se deve nunca escutar as flores, elas são apenas para ser apreciadas e sentir o seu perfume...
Essa história é realmente incrível, já é a terceira vez que estou lendo esse livro, e não canso, pois a cada leitura aprendo um pouco mais, decifro alguma coisa. É simplesmente sensacional. O pequeno príncipe ainda tem muito o que contar, tem muita gente que ele encontrou em sua viagem, coisas estranhas, para 'gente grande' tudo normal. Toda criança tem que ler esse livro, é um clássico da literatura infantil até a literatura adulta.
É com uma frase marcante do autor do livro, em sua dedicatória, que termino esse primeiro post do Clube do Livro.

"... Todas as pessoas grandes foram um dia crianças. (Mas poucas se lembram disso)..."
[Antoine de Saint-Exupery]


quarta-feira, 25 de agosto de 2010

10 anos

Exatamente hoje está fazendo 10 anos que o meu Pai partiu para uma vida melhor. Uma vida mais calma, sossegada. Ele partiu e deixou a saudade em nossos corações.
Deixar saudade significa dizer o quanto a pessoa é, ou era, querida e amada. Quando se deixa saudade, deixa também um pouco de si. Deixa a lembrança dos momentos alegres, os momentos marcantes. No meu caso, tenho muitas lembranças boas da minha infância. Quando passo nos lugares que ia com meu Pai, quando criança, logo me vem à mente a imagem dele. Relembro com detalhes os momentos ali vividos com a minha família... Meus Pais nunca tiveram dinheiro bastante para dar à mim e ao meu irmão tudo o que queríamos, nem para nos levarmos nos lugares que sonhávamos, mas sempre percebi, e hoje vejo com mais clareza, que tudo o que o meu Pai fez, e tudo o que ele nos deu, foi simples, foi com esforço, mas sei que foi de coração. As mínimas coisas, os lugares mais simples foram os nossos momentos mais felizes. Sei que tudo isso tem dedo da minha Mãe, claro. O que é um homem sem uma grande mulher por perto?
Esses lugares em que me lembro com alegria, com saudade, são lugares simples, e ao mesmo tempo de uma categoria incrível. Quando falo simples, quero dizer que não é e nunca foi preciso ser necessáriamente pobre para ir à esses lugares. Basta ser sensível... e isso o meu Pai era demais.
Me lembro com saudade quando íamos a praia, ao Jardim Botânico... lugares perto da natureza. Eram esses lugares que os meus pais nos levavam nos finais de semana. Tem um episódio que me marcou muito, acho que marcou mais à mim do que à meu irmão, talvez por eu ser o mais velho... Lembro quando meus pais brigaram, não me recordo o motivo, mas por um momento pensei que eles íam se separar. Fiquei muito triste. Mas o meu Pai pegou meu irmão e eu, e nos levou ao Zoológico, onde tem uma área verde enorme. Lá ele sentou em um banco de praça, e eu fiquei brincando com meu irmão, mas todo o tempo fiquei olhando pra ele. Senti uma paz enorme naquele lugar. Foi aí que cheguei perto dele e comecei a conversar sobre o ocorrido. Ele muito triste falou para não me preocupar e pediu para eu ir brincar. Mas claro que não consegui me concentrar na brincadeira. Foi a primeira vez que vi meu Pai tão sensível, se eu não me engano, cheguei a ver lágrimas caindo dos seus olhos. Então chegou uma hora em que parei e fiquei olhando em volta, várias árvores enormes, o cheiro da natureza invadindo meu ser, e pedi para que tudo ficasse bem...
Acho que foi a partir daí que entrei em sintonia com a mãe natureza, e hoje a venero e a idolatro. Lembro de muitos outros momentos, mas se eu for contar aqui não vai caber. Só posso dizer que fui feliz ao lado do meu Pai, apesar dos pesares, recordo que tivemos muitos momentos que me marcaram. Sempre fui um garoto diferente, mais maduro do que o normal, por isso me lembro de muitas coisas com detalhes, eu era observador. Observava sem que ninguém me notasse. Apesar de ter vivido apenas 12 anos ao lado do meu Pai, recordo de coisas que nem minha mãe lembra... Isso faz parte da vida.
Estive relendo um post que escrevi no ano de 2008, no dia dos pais, "Carta para meu Pai", e vi como escrevi com o coração. Falei tudo o que sentia... Muitos pensam que não, mas eu sinto uma saudade muito grande dele. Não sei como estaríamos se ele ainda estivesse no mundo terreno, mas nem quero ficar imaginando nada, pois nada acontece por acaso.
Hoje fiquei impressionado com o tempo. Como está correndo... Ontem eu era uma criança, hoje sou um homem. Há 10 anos pensei que nunca fosse crescer. Aliás comecei a crescer mesmo 10 anos atrás quando vi a minha Mãe criando forças para enfrentar uma nova fase, com duas crianças para criar e educar. Criei forças também e me fiz de forte o tempo todo. Maquiando meus sentimentos e me tornando uma pedra por fora. Tudo para não deixar minha Mãe perder suas forças. A verdade é que só quem consegue olhar para dentro dos meus olhos é que verá como sou uma pessoa sensível e misteriosa....

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Dia do Ator

Hoje no dia dedicado à todos aqueles que, como eu, vivem milhões de personagens, abdicam da sua personalidade em favor da personalidade dos seus personagens... É com muito prazer que coloco aqui um texto de um grande autor e escritor Paulo Sacaldassy para homenagear esses profissionais, claro que me incluo, pois amo o que faço...
Parabéns a nós, ATORES E ATRIZES, por esse dia dedicado à nós...

E aí vai o texto:


O Prazer de Fazer

Quando alguém se dispõe a entrar para um grupo de teatro e se deixa picar pelo tal bichinho da arte, acaba entendendo o porque de muitos atores se identificarem com o teatro. Muitos até só se entregam de verdade, quando estão em cena em cima de um palco. Por quê? Porque o prazer de fazer é o que basta.

É no teatro que a carpintaria de se esculpir uma personagem pode ser executada até a perfeição. É no teatro que a psicologia de se entender uma personagem é buscada e rebuscada até a compreensão total. É no teatro que o ator exercita sua improvisação. É no teatro que o ator expõe sua alma.

É claro que atores experientes e de grande talento, são capazes de realizar um bom trabalho, tanto na televisão, quanto no cinema, afinal de contas trata-se de uma profissão e o ofício de sua arte deve ser realizado pelo ator seja lá aonde for. Mas prazer de fazer, só o teatro lhe dá.

Quem se aproveita da fama instantânea para se lançar sobre um palco, indo atrás de vil metal e aplausos sob flash's reluzentes, jamais vai entender porque tantos atores abrem mão de aparecerem na mídia para poderem se dedicar de forma plena ao teatro, por mais dura que seja essa vida. O prazer de fazer é capaz de suprir necessidades inimagináveis.

Ator de teatro é capaz de passar uma vida inteira fazendo o seu ofício de forma amadora, sem se importar com o sucesso, sem pensar em fama, pois o prazer de fazer é o alimento que o faz continuar, aprendendo, aprendendo e aprendendo e será o que lhe levará ao estrelato, se a sorte lhe abraçar. Não é a busca do sucesso que importa, apenas o prazer de fazer.

Talvez por isso tudo, muitos achem que ator não passa de um louco, mas o prazer de fazer da insanidade um ato lúcido, ou vice-versa, nenhum cidadão normal é capaz de entender e jamais entenderá. Só quem tem o teatro na alma sabe o quão bom é, o êxtase de uma apresentação. Porque fazer por prazer, só no teatro se é capaz.

Paulo Sacaldassy

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Quando Uma Etapa Chega ao Fim


Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...
Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. Foi despedida do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu...

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora... Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, doar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.
Deixar ir embora.
Soltar.
Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor.

Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais. Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal".

Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará! Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira.

Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..
E lembra-te: Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão.


Fernando Pessoa

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Quero mais

O que está acontecendo com as pessoas?
Mais uma pessoa que cruza meu caminho apenas por sexo. Eu já disse que essa fase já passou. Quero alguém com conteúdo, que não seja só um rostinho bonito, ou um corpinho gostosinho. Quero mais que isso. Quero alguém além da carne, dos prazeres carnais.
É! Mas acho que está difícil nesse mundo de hoje. Em pleno século XXI, estou procurando um relacionamento do tempo dos meus pais. É até engraçado isso, mas há quem concorde comigo. As pessoas estão muito superficiais, querendo sexo por sexo. Acham que isso é o principal numa relação. Enquanto que pra mim, sexo é um complemento, uma consequência de um bom relacionamento, de uma parceria , de um companheirismo.
Sexo é algo muito íntimo, e não se deve sair por aí fazendo no primeiro encontro, coisa que eu fazia quando mais novo, mas hoje não sou mais assim. Não quero começar uma relação com sexo, quero começar com uma amizade. Isso é o primeiro passo para o sucesso de um casamento duradouro e para sempre. Porque se tudo começar com sexo, e tiver só sexo, sinto informar, mas quando estiverem envelhecendo o casamento acaba, pois o tesão já não é mais o mesmo, a libido já tem diminuído, e o relacionamento que era movido apenas por sexo chega ao fim, pois não há companheirismo, não há parceria.
Fico muito triste quando pessoas assim cruzam meu caminho. Percebo que a humanidade já está perdida, e não sabem o que é namorar, o que é casar. E eu que sou tão jovem acabo me sentindo um velho retrógrado por pensar assim, por discordar da minha geração. E fico pensando se vou realmente encontrar alguém que pense como eu. Alguém que se relacione comigo por amor, por lealdade, fidelidade...
Tem um texto que li e acabei salvando, mas não lembro onde encontrei. Só que esse texto parece ter sido escrito por mim e pra mim.

'Procuro alguém que vá além dos limites.
Que entenda o meu silêncio.
Procuro alguém mais sábio do que eu.
Que me ensine a ser feliz, que preencha o meu vazio.
Procuro alguém que diga a verdade.
Que saiba amar. Que goste de mim.
Procuro alguém entre tantas pessoas, que saiba o sentido do amor.
Que procure o mesmo que eu.
Procuro alguém de alma pura. Que acredite no destino.
Que esteja a minha procura.
Procuro um alguém, que procura um amor.'

Quando li isso, pensei que eu tivesse escrito.
É exatamente o que procuro. Alguém de valor, que vá além de qualquer limites por mim. E principalmente entenda o meu silêncio. Acredito que a humanidade já não tem mais jeito... se tiver me avisem.

domingo, 1 de agosto de 2010

Final Feliz?!

Hoje é domingo, e o primeiro dia do mês de Agosto. Já já estamos no final do ano, cada dia o tempo passa mais rápido. Fazer o quê, né? Isso tudo é obra da natureza, o sol cada vez mais quente, a temperatura subindo sem moderação, a água ficando escassa, terremotos por todo o planeta, tempestades acabando com tudo. Quem vê diz que o planeta está doido... E como os planetas da via láctea giram em torno do sol, e o destino deles é ser engolidos pelo maior astro do universo, então o planeta Terra está bem perto de ser destruído, pois é o terceiro planeta mais perto do sol... Com isso concluo que tudo o que está acontecendo um dia iria acontecer com, ou sem, o Homem, então não é o ser humano quem está destruindo o planeta, é um ciclo natural. O homem procura retardar tudo isso, mas é impossível. Com a natureza não há quem possa. Ela tem seu tempo determinado, tem seus momentos e seus ciclos, e não há nada que impeça disso tudo acontecer, a não ser que mudemos de planeta, coisa bem mais difícil de se suceder.
Há quem diga que o sol está se preparando para seu fim. Toda estrela nasce e morre, e como o sol é uma estrela, ele também morrerá um dia, mas antes de morrer vai causar catástrofes inimagináveis no universo... Não sei porque estou tocando nesse assunto, mas isso vem habitando minha mente nesses últimos dias depois que vi um documentário sobre a radiação solar.
E fica então a minha dica. Vamos viver, amar sem medidas, dizer que ama a quem realmente amamos, dizer que gostamos àquelas pessoas que nos fazem bem, que nos fazem sorrir, que enxugam as nossas lágrimas. Deixemos de nos preocupar tanto com o depois de amanhã, o máximo que devemos é pensar no amanhã. Deixemos os medos de lado, pois eles só ajudam a atrapalhar o nosso desenvolvimento...
Vamos juntos fazer um final feliz.