(Confissões de uma Águia misteriosa)

Dor? Sofrimento? Sim, sinto e tenho, mas nada é fácil nesse mundo. Enfim, se você se conforma com a vida que tem, é porque tem medo de tentar, e eu não tenho e lutarei até o fim.

Sobre a Águia

Minha foto
Eu não sou nada. Não posso querer ser nada. Mas tenho em mim todos os sonhos do mundo... Uma coisa é escrever como poeta, outra como historiador: o poeta pode contar coisas não como foram, mas como deveriam ter sido, enquanto o historiador deve relatá-las não como deveriam ter sido mas como foram, sem acrescentar ou subtrair da verdade o que quer que seja.

sábado, 28 de agosto de 2010

Reunião Budista

Hoje fui conhecer uma reunião budista. Todo final do mês tem reuinão com o grupo da comunidade... E aí uma amiga mandou o convite para reunião de hoje. Estava muito ansioso para saber como era. A princípio fiquei meio sem jeito quando cheguei na reunião, mas continuei assistindo, e aos poucos fui ficando a vontade.
Existem várias linhas budistas, e essa que visitei é o budismo de Nitiren Daishonin... Foi muito bom essa visita. E diferentemente do que as pessoas pensam e falam com os seus conceitos pré concebidos, o que pude entender é que o budismo não é nada mais do que a observação de um homem para a natureza de todas as coisas que o cerca e a observação da própria mente. O budismo não contempla regras, nem pecados, nem dogmas complicadíssimos e inteligíveis. Prega que apenas compreendendo os fatos com o coração leva o homem a libertação do que ele considera ser sofrimento para sua própria vida.
O budismo de Nitiren Daishonin segue uma filosofia onde as pessoas estão sujeitas a lei de causa e efeito, não como punição, mas como efeito normal da natureza, e as pessoas são exclusivamente responsáveis pelos seus próprios atos.
Tem uma coisa muito legal e interessante que eu gostei, que é o daimoku, uma espécie de mantra onde através da recitação do NAM MYOHO RENGUE KYO você transforma os karmas negativos e atinge os estados elevados de vida onde há grande sabedoria, coragem e benevolêcia. Eu aprendi também que é preciso recitar o daimoku com muita fé, pensamentos positivos e desejos sinceros, porque no momento em que você está recitando o daimoku, milhões de outros budistas no mundo estão recitando também, e não estão fazendo por brincadeira, então acaba se tornando algo muito poderoso.
Foi muito bom pra mim essa visita. Gosto de conhecer tudo, diferente de algumas pessoas que julgam o que nunca viram. Julgam apenas pelo preconceito e pré-conceito. Pra quem tem curiosidade, meu conselho é que você procure saber onde tem um grupo budista e peça para fazer uma visita em alguma das reuniões. O fato de ir em uma das reuniões não quer dizer que você é um budista, mas apenas um ser que quer se informar e conhecer sobre a prática.
Vale a pena.


Um comentário:

Ariany disse...

Olá,

Meu nome é Ariany, eu represento o Blog Vestibular, da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado).
Primeiramente lhe parabenizo pelo seu blog e pela postagem.
Gostaria de lhe convidar a conhecer e opinar num ambiente repleto de informações sobre educação: http://blogvestibularfecap.blogspot.com/

Conto com a sua visita!
Até mais!